• Gabriela Mund

E como fala... O corpo? Fala e fala muito...

Aprender a se conhecer é o grande objetivo para quem busca saúde, amor e proteção! Creio que seja impossível alcançar a plenitude desses aspectos sem que um intenso trabalho de reconhecimento de si mesmo. Aprender a observar como suas emoções se comportam diante de alguma situação, ou de todas as situações do dia a dia, aprender a observar seu sistema corporal e como ele reage durante o dia, é um início! Bom, já que estamos falando no início, vamos trocar a palavra “aprender” por “observar”!


Por que é fato! O corpo fala! Cada célula responde a tudo! Uma alegria, um susto, uma decepção, uma surpresa! Tudo! Cada célula vibra, a cada imagem que você vê, a cada esquina que você vira, a cada cheiro que você sente, cada alimento que você coloca na boca. Tudo! Somos um complexo sistema corporal que é pura energia! Energia densa a ponto de sermos de carne e osso, mas somos energia! Então, por que cada célula, cada átomo do nosso corpo reage e age o tempo todo, vamos compreender...


Uma determinada situação, que no início dispara o coração. Que no início dá um gelo na espinha. Que no início dá um frio na barriga, uma tremedeira nas pernas. Uma determinada situação que traz algo que não é bom! Talvez um medo, uma culpa, angustia, tristeza, ansiedade, qualquer coisa... ela começa de leve... Sua alma já reconheceu ela como negativa, e fez vibrar a energia das suas células! Fez vibrar o corpo todo! Bom, ele avisou, de forma suave e passageira que aquilo merece atenção.


Mas você decide seguir. Fazer de conta que nada daquilo aconteceu e daí o que acontece? O Universo lhe oferece uma nova chance de rever aquela situação, e ela se repete! Mas como você ignorou ela na primeira vez, ela se faz um pouco mais forte, para chamar a sua atenção. E vamos lá, por que o corpo vai responder a esse evento: coração, coluna, pernas, barriga, peito... Tudo se move, tudo vibra de forma mais intensa, e você? Você nem percebeu. Seguiu... O seu corpo já falou um pouco mais alto, mas mesmo assim, ele não ganhou a atenção que precisava.


Bom, o ciclo se repete. Vamos lá por que tudo começa de novo! Uma nova situação, com a mesma proposta de rever algo que não está legal ali dentro, envolvendo pessoas que aparentemente não fazem parte de nenhum contexto especial, mas estão todos ali, posicionados para te chamar mais uma vez a atenção. E novamente aquilo volta! Uma nova situação, novos personagens, com o mesmo propósito: fazer você compreender que precisa parar e dar atenção a você e aqueles sintomas, mas você... estava preocupado com a reunião da diretoria, ou com a conta que tinha que pagar, ou em ir no supermercado, ou quem sabe... preocupado em responder à alguém no celular.


Aí, a partir de agora, a coisa fica diferente! O corpo sussurrou, avisou, chamou, pediu, falou mais alto, e nada! Agora ele vai gritar! E a partir daqui, o corpo todo vai reagir, mas a dor vai ser mais localizada! Vamos falar, por exemplo, no medo.


Aí naquele corre-corre do dia você sente algo estranho no abdômen. Não sabe o que é, mas o desconforto parece aumentar, e você não entende. Segue indo de um lado pro outro, e no máximo toma um analgésico simples, achando que vai resolver.


Os dias passam, e você segue tomando analgésico quando o desconforto aparece. Mas, agora o corpo já está gritando, e mesmo assim, você preferiu não parar! Então ele, o corpo, vai parar! E ele vai fazer isso através de uma dor muito aguda nos rins, no órgão que corresponde a essa emoção! E vai doer, e vai doer muito, até você parar. Até você buscar entender o que acontece. Mas vamos lá, você foi no medico, tomou um injeção de Buscopan, a crise passou e você voltou para casa. No dia seguinte tudo parece normal, até começar a doer de novo! E como agora o corpo já avisou, pediu, falou, gritou, te fez parar e nada resolveu para você compreender que o medo está te machucando muito, ele não vai dar mais trégua, e não vai mais embora. A dor vai ficar ali até você entender! E se você não parar, ela não vai mais embora!!!!! E você criou uma doença, que muitas vezes se torna muito grave!


Assim acontece com todos os nossos órgãos, todos os nossos tecidos, todos os nossos sistemas! Por que eles são formados de células, que são formadas de átomos, que são feitos de energia, e acreditem, eles respondem ao que vibramos, eles respondem a energia que emitimos. E eles adoecem... nós adoecemos o nosso corpo, por que simplesmente não queremos observar o que sentimos.


Não é nada inteligente agir assim, se pensarmos bem, é ridículo, mas muitas vezes não conseguimos compreender. Por isso falei ali em cima, que a melhor coisa para começar é observar. Observe se você fica agitado diante de algo ou alguém, se sua mão transpira diante de algum evento. O coração dispara? O peito aperta? O estômago queima? O que acontece? Quando acontece? Como isso se passa? Com quem? Onde?


Somos um campo imenso para investigação! E esse foi o meu ponto de partida nessa minha jornada que começou há alguns pares de anos! Mesmo sem ter adeptos à minha teoria, a minha primeira missão depois das crises de pânico e das frequentes crises de labirintite, foi encontrar saúde! Saúde significa um relativo equilíbrio do sistema emocional, que garante que você fazendo a “tarefa de casa”, você ficará bem com você mesmo! E a cada dorzinha, a cada pedacinho que tem problema, eu me prontifiquei a ir atrás de respostas, ou melhor, atrás das causas daquela simples dorzinha!


Há muito tempo eu gostaria de escrever sobre isso, mas o que me aconteceu hoje foi decisivo, e comprovou a legitimidade disso que acredito! Tudo o que acontece no nosso corpo, até uma cárie no dente, uma dor de cabeça, um mal estar no estomago, tudo tem um fundo emocional! Cada “dor” é um recado. Você só precisa entender.


Bom, mas vou contar o que aconteceu hoje. Acordei, fui tomar café da manhã e na primeira mordida que dei no pão quentinho com manteiga, quebrei um dente! Mas não era a primeira vez que esse dente me dava problema. Eu já fiz canal nele há alguns bons 20 anos. Há 8 anos ele quebrou um pedaço, e a dentista que me atendeu me olhou e disse: não há muito o que fazer, vou restaurar, mas se quebrar de novo, vamos ter que colocar uma prótese, por que ele já estava bem danificado. E claramente, eu não quis mexer né? Resolver? Pra que? Deixa ali... Bom, há uns dois anos atrás a dentista olhou e disse que precisávamos ver esse dente, mas ele não estava doendo, e... não mexi... Há uns meses atrás ele quebrou um pedaço maior... levei semanas até ir no dentista, tinha receio da tal prótese. Claro que mais alguns pedaços pequenos se quebraram até que fui no dentista, mas fui! Ela foi fantástica! Depois de rir um pouco da situação, fez um molde e colocamos uma prótese provisória. Ficou ótimo! É obvio: deixei quieto... precisava voltar, mas pensar em colocar a prótese, os pinos, o tudo... não voltei. E hoje caiu tudo! O provisório, o que restou do dente quebrou e fui obrigada ir, mas dessa vez, com urgência! E no desespero, resolvi pela primeira vez ir buscar o que significava esse dente, e olha... chorei...


“Os primeiros molares correspondem ao sistema digestivo e vêm à boca aos seis anos de idade, quando o conhecimento do mundo em que vive amplia-se na criança, passando ela, a entender suas necessidades e obrigações. Esse dente é o que mais costuma ter cáries e o que mais as pessoas perdem durante a vida, pois ser autossuficiente é, sem dúvida alguma, um dos principais motivos de tensão no ser humano.”


Sem mais o que dizer... Chegou a hora de aprender a ser autossuficiente, afinal, ainda tenho mais dentes desse para dar problema, e não quero... vou buscar o que meu corpo me deu de presente: um recado, uma ideia, uma mostra do que precisa ser curado. Acredite no seu corpo e nas mensagens que ele lhe passa. Ele é sábio!


E jamais duvide: A saúde do seu corpo depende mais da forma como lida com os seus pensamentos e emoções do que com a comida que você ingere. Mas isso falamos outra hora...


Gabriela Mund


23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo